Especial OSCAR 2018 | Três Anúncios Para um Crime

Martin McDonagh – diretor e roteirista de Na mira do chefe, de 2008 – fez do seu terceiro longa-metragem um triunfo espantoso. Há pouco mais de uma semana, os cinemas brasileiros puderam vislumbrar uma das maiores preciosidades do Oscar 2018. Três anúncios para um crime está, ao lado de A Forma da Água, como um dos concorrentes mais fortes e promissores dentre as principais categorias do Academy Awards. Sem pretensão alguma, seu drama, com um tom sarcástico unido ao toque de thriller – ambos bem característicos nos trabalhos de McDonagh -, se tornou um estrondoso sucesso de bilheteria ao redor do mundo.

Sete meses após o assassinato de sua filha, Mildred Hayes (Frances McDormand) decide que o tempo de impunidade e incompetência estavam contados. Após passar pela rodovia onde o corpo de sua filha havia sido achado, Mildred vê a oportunidade de tentar fazer a sua justiça valer: ela aluga os três outdoors dessa área e neles, põe o seu questionamento sobre a ineficiência da força policial comandada pelo querido xerife William Willoughby (Woody Harrelson). Como consequência desse confronto direto com a polícia da pequena cidade de Ebbing, Mildred Hayes terá que enfrentar todos da cidade – em especial o estúpido e preconceituoso policial Jason Dixon (Sam Rockwell) – para tentar obter justiça em seu sofrimento que continua resposta.

Especial OSCAR 2018 | Três Anúncios Para um CrimeCom um mix temático, o diretor inglês traz para as telonas uma crítica social gritante. Dentre cenas que questionam a permanência de uma consciência sulista da Guerra Civil americana à ótica comumente disseminada acerca do papel de uma mãe e mulher na sociedade, Três anúncios para um crime cria um humor quase que sádico embasado numa sociedade que as pessoas tentam esconder. O preconceito está personificado no perturbado policial interpretado por Rockwell, que persegue (e espanca) a comunidade negra da cidade com um propósito mais vazio que sua cabeça.

Contrapondo a situação, temos a personagem da esplêndida Frances McDormand – com uma atuação sem precedentes – a qual nada mais é do que a revitalização do símbolo feminista americano, “Rosie, the riveter” (traduzido em português como “Rosie, a rebitadeira”). Intencionalmente ou não (e mesmo que de maneira secundária), o roteiro de McDonagh toca em questões que estão enraizadas na cultura americana e, majoritariamente, acabam caindo na espiral do silêncio. Durante duas horas de duração, o elenco da película mostra a sua formidável performance, a qual, mais tarde, será responsável por inúmeras nomeações e vitórias durante a temporada de premiações 2018.

Três Anúncios Para um Crime entrará para o hall da fama por sua proposta despretensiosa, sua temática relevante e seu elenco prodigioso. Martin McDonagh ganhou uma nova obra para servir de referência, além de ter ganhado o respeito e aclamação do público e crítica. Um trabalho magnífico que faz o espectador querer saltar da cadeira e fazer algo por Mildred. Quanto à Frances; ela é o diamante desse conjunto perfeito de joias que formaram uma produção ímpar.

+ VEJA A LISTA COMPLETA DE INDICADOS AO OSCAR 2018

 

TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME

7 INDICAÇÕES AO OSCAR: Melhor Filme, Melhor Atriz (Frances McDormand), Melhor Ator Coadjuvante (Sam Rockwell e Woody Harrelson), Melhor Trilha Sonora Original, Melhor Roteiro Original e Melhor Montagem

Vencedor nas categorias “Melhor Filme” e “Melhor Filme Britânico” no prêmio da Academia Britânica de Cinema e Televisão (BAFTA), Três anúncios para um crime tem acirrado a disputa e as apostas acerca de qual será a campeã do Oscar de “Melhor Filme” neste ano. Lado a lado com o seu concorrente direto (A Forma da Água), o longa vem levando para casa vários prêmios, dentre eles os de “Melhor Atriz” para a atuação de Frances, “Melhor Ator Coadjuvante” para Rockwell e “Melhor Roteiro” para McDonagh no BAFTA, Globo de Ouro e SAG Award – além de “Melhor Elenco” nessa última premiação.

Agora falta o veredito final da Academia de Ciências e Artes Cinematográficas para saber se o filme vai ganhar em alguma das seis categorias cujo foi indicado – em especial na categoria de “Melhor Ator Coadjuvante”, fazendo com que Sam Rockwell ganhe todos os prêmios que foi indicado, exceto o British Independent Film Awards.

 

Escrito por Felipe Aguiar

Estudante de jornalismo curioso e apaixonado por história. Cinéfilo de carteirinha que ama o universo da sétima arte e deseja sempre estar ainda mais imerso nesse mundo.