NO TEATRO | Rio Mais Brasil e a diversidade da música brasileira

NO TEATRO | Rio Mais Brasil e a diversidade da música brasileira

Com temporada até o fim de novembro no Teatro Frei Caneca, em São Paulo, o Musical Rio Mais Brasil reúne Cris Vianna, Leonardo Vieira, Danilo de Moura, Danilo Mesquita e mais 16 atores multi-instrumentistas para mostrar os contrastes da musicalidade brasileira. 

O espetáculo é um divertido passeio musical para os amantes do sons brasileiros, com um elenco afinado que proporciona um verdadeiro show nas quase duas horas de apresentação. Com uma narrativa não linear, o espetáculo se passa nos bastidores da realização de um longa-metragem, livremente inspirado em O Povo Brasileiro. É a história de um produtor e de uma diretora de cinema na tentativa de realizar um filme documental. No meio da empreitada, porém, os realizadores se veem no dilema de desistir ou persistir. O processo de criação que mostra o diálogo entre realidade e ficção que, em comum, têm a capacidade de driblar obstáculos.

O Rio de Janeiro, como um epicentro cultural do país, foi a inspiração e o ponto de partida de Gustavo Nunes, em 2014, três anos antes da estreia para o público. O projeto foi adiado por falta de patrocínio, mas a adversidade se transformou numa aliada: o tempo de espera foi importante para o produtor amadurecer a temática e realizar um trabalho robusto que abrangesse a cidade não apenas como um ícone, mas como síntese do Brasil. Para a condução do musical, convidou o Ulysses Cruz que, de acordo com Nunes, reuniu todos os requisitos para dirigir a produção: experiência, bom gosto e ousadia.

Rio Mais Brasil, o Nosso Musical teve como base o livro O Povo Brasileiro, que o antropólogo Darcy Ribeiro lançou em 1995. “O resultado é uma obra com um olhar focado na musicalidade do país, revelando também as origens e a formação de nossa identidade”, diz Gustavo Nunes. “Eu atormentei a Renata Mizahi (autora) porque queria um Rio diferente de tudo que já havia sido feito. O desejo era a representação da primeira arquibancada da Sapucaí, dos bailes do subúrbio onde tocam charm – e que reúnem pessoas de todos os cantos do país – dos pontos de ônibus lotados com vendedores ambulantes ao redor. Costuramos esse imaginário, que não se limita à zona Sul, com o livro do Darcy”, explica o diretor.

 

TRILHA SONORA

Rio Mais Brasil tem canções com letras assinadas por Renata Mizrahi, releituras de músicas consagradas e canções representativas das cinco regiões brasileiras. O repertório passa por Milton Nascimento, Chico Buarque, Caetano Veloso, Luiz Gonzaga, Rita Lee, Gonzaguinha, Almir Sater, Gilberto Gil, Ary Barroso, Cazuza, Tom Zé, Aldir Blanc, Arlindo Cruz, Waldemar Henrique, Kleiton e Kledir, Dani Black, Dona Onete e A Banda mais bonita da Cidade, entre outros, que ressurgem em arranjos originais de Carlos Bauzys e Daniel Rocha.

“Pesquisamos uma centena de canções a partir do roteiro. Foi um desafio chegar a este repertório. Cada Estado tem ritmos muito próprios e na música popular brasileira a miscigenação é uma característica muito presente, mesmo que não seja intencional, ela acontece”, comenta Bauzys. Neste Brasil que mistura rock com maracatu, forró com hardcore e samba com soul music a reinvenção é uma constante. O espetáculo se faz valer desses encontros misturando a tradicional chula gaúcha com o pop oitentista de Kleiton e Kledir no hit “Deu Pra Ti”.

Um dos exemplos da busca constante pela originalidade é a canção “Aquarela do Brasil”, de Ary Barroso, que ressurge completamente renovada, não só pelo arranjo inédito, mas pelo rap escrito por Bauzys, incorporado à letra. “Na hora que a música fala, ‘Terra de Nosso senhor, ali já entra um rap que diz, entre outras coisas: Terra de Nosso Senhor, de Oxalá, de Iemanjá, de Jesus’. Exaltamos o sincretismo no Brasil, que é algo tão lindo no nosso país, essa pátria de todos”, revela.

O diretor musical, que já trabalhou com os Barbatuques, ressalta que o elenco é formado por atores que também são multi-instrumentistas, o que permitiu a criação de arranjos diferenciados e complexos para as canções, além da percussão corporal. São mais de 30 instrumentos como: berimbau de boca, ganzá e timbal.

RIO MAIS BRASIL, O NOSSO MUSICAL

NTeatro Frei Caneca. Shopping Frei Caneca.
Temporada – de 3/11 a 26/11, sexta e sábado às 21 horas, domingo às 19 horas
Espetáculos dias 17, 18 e 19 de novembro; 24, 25 e 26 de novembro.
Ingressos – R$ 100,00 e R$ 50,00 (meia)
Vendas de ingresso: https://www.ingressorapido.com.br.
Classificação etária: 12 anos.
Duração: 105 minutos

_

+ 5 MUSICAIS PRA ASSISTIR EM SÃO PAULO

Escrito por Vinicius Andrade

Jornalista amante da escrita. Criador do Crônicas do Agora. Interessado em boas conversas, textos e histórias.